O fato aconteceu na terça-feira (12) em Tupi Paulista, além de diversas apreensões ocorridas no final de semana

Duas encomendas enviadas por Sedex chegaram na terça-feira (12) à Penitenciária Masculina de Tupi Paulista. Ao passar pelos procedimentos de revista, Agentes de Segurança Penitenciária (ASP) descobriram que se tratavam de maços de cigarros recheados de maconha, remetidos em nome de mães de dois sentenciados. Além dessa apreensão, outras diversas ocorreram neste final de semana (09 e 10) com visitantes de presos em estabelecimentos prisionais subordinados a Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Oeste do Estado (Croeste).

Vale lembrar que os visitantes flagrados são suspensos do rol de visitas e levados à Delegacia de Polícia Civil mais próxima, sem prejuízo de responderem na esfera criminal. Também é instaurado Procedimento Disciplinar para apurar a cumplicidade dos presos que receberiam os materiais podendo, ainda, ser instaurados Procedimentos de Apuração Preliminar para apurar supostas responsabilidades funcionais. Seguem informações de cada unidade prisional:

SÁBADO (09.06.18)
Penitenciária “Luis Aparecido Fernandes” de Lavínia (PII)
O scanner corporal sinalizou positivamente para a presença de material metálico no corpo de uma visitante, quando esta passava pelo aparelho. Ao ser questionada, a companheira de um sentenciado retirou voluntariamente de seu órgão genital um “invólucro” com 01 (um) telefone móvel. No dia seguinte, nos mesmos moldes, outra mulher foi flagrada com mais 01 (um) celular. Ambas foram suspensas do rol de visitas e levadas à delegacia, enquanto os sentenciados foram isolados e responderão a Procedimentos Disciplinares para apuração dos fatos.

Penitenciária “Asp. Paulo Guimarães” de Lavínia (PIII)
Duas mulheres foram impedidas de entrar na unidade prisional por tentarem burlar a segurança. Uma delas trazia, no cós da calça, 01 (uma) porção de papel de seda, 02 (duas) porções de erva esverdeada aparentando maconha e 04 (quatro) porções de substância branca aparentando cocaína. A segunda trazia 01 (um) celular inserido no órgão genital mas, por negar a situação, precisou ser levada ao Hospital Estadual de Mirandópolis onde foi submetida a Raio-X, vindo a confessar o ilícito. Os objetos, inicialmente detectados pelo scanner corporal, foram levados à delegacia juntamente com as mulheres, as quais foram suspensas do rol de visitas. Já os sentenciados envolvidos, foram isolados preventivamente enquanto respondem a Procedimento Disciplinar.

Penitenciária “Osias Lúcio dos Santos” de Pacaembu
Neste final de semana, três visitantes de presos foram impedidas de entrar na unidade após tentarem levar objetos ilícitos aos sentenciados. Duas delas escondiam invólucros com entorpecentes no órgão sexual, mais especificamente, maconha e cocaína. A outra, tentou esconder 02 (dois) invólucros com cocaína dentro de uma caixa de cotonetes.
A Polícia Militar foi acionada e as conduziu à delegacia, além de serem suspensas do rol de visitas. Já os sentenciados foram isolados preventivamente em Pavilhão Disciplinar, para apuração dos fatos.

Penitenciária “João Batista de Santana” de Riolândia
Ao serem submetidas aos procedimentos rotineiros de revista pelo equipamento Body Scanner, duas companheiras de presos foram flagradas com porções de maconha escondidas nas vestes (sutiã) e na genitália. Por este motivo, foram levadas à delegacia de polícia e suspensas do rol de visitas.

DOMINGO (10.06.18)
Penitenciária “Anísio Aparecido de Oliveira” de Andradina
Ao passar pelo scanner corporal, a visitante de um sentenciado foi impedida de entrar na unidade, pois as imagens geradas pelo equipamento revelaram que ela trazia um objeto estranho inserido no órgão genital. Ao inspecioná-lo, funcionários verificaram que se tratava de 02 volumes contendo maconha. A Polícia Militar foi acionada e conduziu a mulher à delegacia, a qual também foi suspensa do rol de visitas.

Penitenciária de Assis
Uma mulher tentou entrar na unidade com uma cartela de comprimidos de uso pessoal, sem autorização, escondida entre os alimentos (jumbo) que seriam entregues a sentenciado a ser visitado. A cartela encontrava-se acondicionada em saco plástico, camuflada entre dois tabletes de chocolate, com o claro propósito de ocultar o referido material. Foram tomadas as medidas cabíveis.

Penitenciária “Tacyan Menezes de Lucena” de Martinópolis
A companheira de um sentenciado, ao tentar visitá-lo na unidade, ocultou nas partes íntimas 01 (uma) placa de micro celular, que foi descoberta durante os procedimentos de revista pelos Agentes de Segurança Penitenciária (ASP). A mulher foi encaminhada à delegacia e suspensa do rol de visitas, enquanto o sentenciado responderá a Procedimento de Infração Disciplinar.

Penitenciária de Paraguaçu Paulista
Antes de passar pelo scanner corporal para poder ter acesso ao interior da unidade e visitar o companheiro que cumpre pena no local, uma mulher foi barrada por uma agente que notou haver um volume estranho no top de ginástica que a visita utilizava. Por este motivo, a peça foi levada à sala de Raio-X, onde foi constatado que nela haviam 04 (quatro) porções de substância esverdeada, supostamente maconha.

TERÇA-FEIRA (12.06.18)
Penitenciária de Tupi Paulista
Durante vistoria a encomendas, servidores responsáveis pelo setor de inclusão encontraram maços de cigarros preenchidos com substância semelhante à maconha. Os embrulhos foram enviados por SEDEX em nome de mães de dois sentenciados. Todas as providências cabíveis e necessárias foram adotadas, elaborados comunicados de eventos e Processo Apuratório Disciplinar para elucidação dos fatos, bem como, apreensão e encaminhamento da substância a delegacia de polícia local.

Fonte: Sec. da Administração Penitenciária – CROESTE